sexta-feira, dezembro 14, 2007

Natal: Pagão ou Cristão?




Não há dúvidas do impacto do natal na sociedade, sempre quando chega o final do ano( e consequentemente o natal também), vemos milhares de luzes acesas, juntamente com muitas lojas cantando um "Jingle Bell". Todavia, o natal sem sombra de dúvida ainda é motivo de controvérsia. Tanto teológica quanto socialmente. Na parte “social” o que muitas pessoas reduziram esta festa a apenas um gasto de dinheiro.

Porém dentro de um contexto mais cristão, certamente existem implicações teológicas consideráveis a respeito do natal. Será ele uma ordenança bíblica? Ou simplesmente uma festa pagã? É necessário comemorar o natal, ou simplesmente devemos fazer uma festa social em nossa casa? Mas então e a celebração religiosa? Todas essas dúvidas e opiniões divergentes ainda existem hoje.

De um lado há pessoas que classificam o natal como elementos do paganismo da Idade Média, assim também como da tradição Nórdica. Não é necessário o crente celebrar o natal, uma vez que não há ordenança bíblica para isso, sempre vemos a igreja cultuando a Deus no domingo, e não simplesmente em outro dia. Por falar em dia, o dia em que celebramos essa festa nada mais é do que um dia estabelecido baseado no dia de um deus pagão romano. Ainda existe a polêmica sobre a árvore de natal, seria ela um simples emblema pagão e que visava a idolatria? E que dizer do “bom velhinho”? Seria ele o que afirma meu amigo de caminhada Carlos Eduardo, o “Satã Noel”? Todas essa afirmações e dúvidas devem ser ponderadas pela sabedoria bíblica, por isso, certas observações devem ser feitas aqui.

1º NÃO DEVEMOS CONSIDERAR O DIA DE NATAL COMO DIA SANTO.

Muitos crentes que há muito estão afastados da casa do Senhor, na maioria das vezes, comparecem a celebrações de natal em nossas igrejas, no geral apenas para ver um parente se apresentar em uma “comédia” ou cantata de natal, porém alguns vão simplesmente porque questão de tradição, por achar bonito, ou pior, por considerá-lo um dia santo. Não existe, além do domingo, um dia santo especificado na igreja. É óbvio que devemos santificar o dia em adoração a Deus, e em certo sentido todo o dia é dia do Senhor, todavia, em nenhum momento me sinto obrigado a ter que celebrar o dia de natal, podendo inclusive celebrar, se eu quisesse, em outra data do que 25 de dezembro.

2º O CRISTÃO NÃO É OBRIGADO A IR PARA A IGREJA NO DIA DE NATAL.

Essa segunda consideração está ligada com a primeira, como um natal não é um dia santo, não há necessidade do crente ter a obrigação de ir para a igreja no dia de natal.

3º DEVE HAVER LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NESTA QUESTÃO.

Muitos crentes que são a favor da celebração do natal condenam outros que preferem não celebrá-lo por questões teológicas. Deve haver respeito de ambos os lados, e nenhuma consciência deve ser forçada a aceitar alguma imposição, se quiser comemorar o natal, comemore, se não quiser, não comemore.

Mesmo depois de todas essas precauções ainda existem certas restrições ao natal, será que ainda devemos comemorá-lo?


Devemos ter em mente o princípio que esse debate gira em torno da questão da adoração. È comum vermos nas igrejas livres(metodistas, batistas, pentecostais) a visão da adoração como gratidão, e não como obediência(não que a obediência não esteja incluída, o que me refiro é a questão da ênfase, claro que isso está invertido em alguns lugares). Enquanto que nas igrejas de tradição reformada(principalmente calvinistas como presbiterianos e anglicanos da ala baixa), a ênfase está na obediência, e não se deve acrescentar nada que não esteja prescrito nas escrituras no culto a Deus.

Essas visões vem desde Lutero a Calvino. Lutero cria que nada que estivesse contra as Escrituras poderia ser utilizada no culto a Deus(obviamente com certas restrições), enquanto que Calvino cria que a Escritura era suficiente para a adoração, e todo e qualquer acréscimo era humano, por isso, extremamente perigosos e não confiável, que estabelece a adoração a Deus é o próprio Deus e não nós. Ou seja Lutero cria no culto a Deus mais como gratidão, enquanto que Calvino cria que o culto a Deus era obediência.

Dessas duas visões, certamente Calvino é mais bíblico do que Lutero. A Bíblia claramente mostra que a obediência é extremamente aprazível a Deus, além do que, ela nos aconselha a não irmos além do que está escrito e também que Deus é quem estabelece a adoração (1Co 4:6, Dt 12:38).

Todavia, isso não significa que não tenhamos espaço para oferecer uma adoração de gratidão a Deus, devemos sim agradecer a Deus por seus atos graciosos para conosco, todavia devemos saber como agradecer. Há respaldo bíblico para lembramos o natal e nos alegrarmos? Certamente que há. Como cristãos, devemos lembrar do testemunho da Escritura a respeito de Jesus, e devemos celebrar a morte de Cristo principalmente, pois isso é tanto por mandamento como que por gratidão, enquanto que o natal é simplesmente uma oferta de gratidão a Deus, que pode ser oferecida ou não pelos crentes. Como já falei, se quiser, celebre, se não quiser, não se celebre. Deve-se lembrar também que o nascimento de Jesus foi um momento especial, a ponto da Escritura relatar este fato, e ela também relata a alegria dos anjos:

Ora, havia naquela comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias d enoite, o seu rebanho. E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhoros cercou de resplendor, e tiveram grande temor. E o anjo lhes disse: Não temais,porque eis aqui vos trago boas novas de grande alegria, que será para todo o povo: pois na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura. E no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão de exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo:
Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens”(Lc 2:8-14)

Não devemos esquecer algo maravilhoso como este, lembrando que é extremamente recomendável que a igreja utilize desse dia para pregar e anunciar a Cristo.

Soli Deo Gloria

8 comentários:

Daladier Lima disse...

O Natal que temos nas ruas, praças e shoppings é, com certeza, pagão. O Natal da Bíblia é cristão.

Visitem http://daladier.blogspot.com - Reflexões Sobre Quase Tudo!

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

O natal não é bíblico, mas também não é anti-bíblico. Comemorar o natal, para mim, é muito especial, pois estamos lembrando que "um menino se nos deu" e esse menino é o Cristo encarnado.
A bíblia não ordena que comemoramos o aniversário do pastor, porém fazemos isso todos os anos, pois é uma tradição evangélica. Por que não podemos comemorar o natal, sendo isso uma tradição cristã?
Parabéns Victor, pela abordagem equilibrada. Como você disse, devemos respeitar quem não gosta do natal.
O que me preocupa é esses cristãos que querem demonizar tudo. Será que uma mãe cristã, que canta o hino "Noite de Paz"(HC 120) para o seu filho, está amaldiçoando a criança? Muitos dizem que sim! Esse tipo de pensamento é perigoso!
Um fato interessante, que no início do protestantismo no Brasil, não havia contestações ao natal. Quem começou a demonizar o natal foi os adpetos do G-12. Pois para eles, quase tudo é maldição!
Feliz Natal a todos!

Gutierres Siqueira
www.teologiapentecostal.blogspot.com

Valmir Nascimento Milomem disse...

Victor,

Parabéns pelo texto!
Realmente, existem dois extremos quando se fala sobre o Natal. De um lado aqueles que o consideram santo, de outro aqueles que o consideram pagão.

Os extremos, em todos os assuntos, podem nos levar para caminhos equívocados, no caso no Natal também.

Assim, como vc bem assentou, precisamos ter equilíbrio e bom senso sobre a sua consideração, e se possívelm utilizando esse momento para a evangelização.

Valmir

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Víctor Leonardo!
A Paz do Senhor.
Fiquei muito feliz com seu post, pois acredito, temos a mesma linha de pensamento.
A Propósito, coincidentemente postei nesta tarde no Point Rhema, um artigo que tem como título "CELEBRANDO O NATAL SEM CULPA", levando também ao equilíbrio sôbre a questão.

UM FELIZ NATAL para voce e toda a equipe do GQL.

Pr. Carlos Roberto Silva
www.pointrhema.blogspot.com

Pastor Geremias do Couto disse...

À equipe do Geração que Lamba,

o meu abraço fraterno em Cristo, a razão do verdadeiro Natal, e que juntos possamos, em 2008, fazer brilhar cada vez mais forte a luz do seu amor sobre todos.

Abraços

Paulo Silvano disse...

Caro Victor e turma do GQL,
Que a paz do Senhor seja com os amados irmãos.Concordo com vc que "devemos sim agradecer a Deus por seus atos graciosos para conosco" e, por isso, confesso que foi de grande valia travar relacionamento com os irmãos nesse ano de 2007, através dos nossos blogs. Desejo a vocês um bom final de ano e que 2008 revele um tempo em que o labor mais precioso na nossa comunicação continue sendo a busca da afirmação dos nossos blogs como espaços de koinonia.
Sou grato a Deus pela vida de vcs, pois numa época em que a juventude evangélica pouco se interessa por reflexão bíblica(talvez não por culpa deles), vcs têm manifestado apreço singular pelas coisas de Deus.
Obrigado pelas visitas e pelos preciosos comentários postados lá no Sinergismo.

Um abraço
Paulo Silvano

Victor Leonardo Barbosa disse...

Obrigado a todos o que postaram no blog GQL, desejo um feliz natal a todos e que Deus possa abençoá-los mais e mais neste 2008. Obrigado irmão Daladier, pastores geremias e e Paulo, irmão Gutierres, pastor Carlos Roberto.

Soli Deo Gloria.

Victor Leonardo Barbosa disse...

Ah o senhor também presbitero Valmir.
Deus lhe abençoe!!!