sábado, fevereiro 16, 2008

Never Cry Wolf – Os Lobos Nunca Choram



É comum vermos hoje o profundo apelo emocional que ronda os crentes da atualidade. Não que as lágrimas vindas de um coração contrito não agradem a Deus, pelo contrário. As emoções sempre fizeram parte da vida e caráter Cristão. O cristianismo sempre foi cheio de paixão e lágrimas.

Há um filme interessante, creio eu que ainda não chegou em DVD, com a direção de Charles Martin Smith( O Contador do quarteto de policiais em Os Intocáveis) chamado Os Lobos Nunca Choram(Never Cry Wolf), que parecesse ser interessante, apesar de eu mesmo ainda não Tê-lo assistido, se não me engano, o filme trata sobre questões ecológicas e tem belas paisagens.

Alguns podem se perguntar o que tal filme tem a ver com o fator emocional dos crentes. Na verdade o que quero utilizar é apenas o título do filme para expressar as relações de emoção-doutrina existente hoje.

Devido à constante onda do neopentecostalismo, a emoções começaram a ganhar um grande destaque, o que era importante virou o centro do cristianismo, tornando assim a emoção cristã em emocionalismo barato. Existem aqueles que até tentam justificar a “Chuva de choro” existente hoje aos avivamentos de John Wesley, George Whitefield e Johnathan Edwards, onde havia uma forte experiência emocional. Todavia se esquecem que ao contrário do emocionalismo de hoje, onde só existe o choro pelo choro e depois nossa vida segue em diante, o choro na época do avivamento demonstrava profunda tristeza e miséria por causa dos pecados cometidos e levava ao arrependimento. Depois do choro e do encontro com Deus, a vida era mudada por completo, o que aconteceu( ou pelo menos deveria acontecer) conosco hoje.

Mas talvez um dos frutos mais danosos do emocionalismo barato hoje é a aversão dos crentes pela doutrina e apologética. Está se criando dois pólos distintos de doutrina e espiritualidade. Para ser genuíno cristão, deve-se gritar, pular, chorar sem parar. Caso contrário seremos taxados de Frios, insensíveis, duros de coração,científicos, fariseus, legalistas e até memo descrentes.

É aí que o título de filme de Martin Smith, hoje em dia os crentes apologéticos, ou pelo menos aqueles compromissados com a sã doutrina são vistos como apostatas pelo fato de não aceitarem tal realidade e não chorarem juntamente com os outros. Eles são lobos, e um prova disso é que eles nunca choram.

Na verdade, há choro nesse lobos, todavia, dificilmente alguém irá vê-los chorando, o choro deles é devido às barbaridades existentes hoje, onde cada vez mais mais seus filhotes e irmãos são lançados em trevas brutais, quer no campo da teologia, quer no campo da música, quer no campo campo da vida eclesiástica.

Esses lobos são diferentes. Eles não se vestem como ovelhas. Não, esse lobos não são aqueles a quem nosso Senhor se referiu (lembrando que Ele também afirmou existirem raposas, e a Bíblia também fala de chacais). Talvez um dia você ouvirá sua tristeza e uivo, quem sabe você verá que eles sempre os admoestaram com lágrimas, e nunca deixaram de anunciar o conselho de Deus.

Soli Deo Gloria

3 comentários:

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

Irmão Victor, obrigado por suas palavras no meu blog (em relação ao aniversário), mas ainda estou longe de escrever algo com excelência para publicação de um livro na grande editora. Fico muito feliz por seu comentário!
Quando estava lendo o seu texto veio em minha mente o crocodilo, pois sabemos que o crocodilo chora enquanto morde a carne de sua presa. Será que o chororó de muitos pregadores sensacionalistas não advém do crocodilo? Você diferenciou muito bem o choro nos avivamentos para o emocionalismo atual, pois naquela época o choro precedia transformação, mas hoje estou cansado de ver crentes chorões que, por exemplo, compram carteira de motorista. Que espiritualidade é essa?

Gutierres Siqueira
www.teologiapentecostal.blogspot.com

Victor Leonardo Barbosa disse...

Olá irmão Gutierres, a Paz do Senhor!!!
você se saiu muito bem e não deve nada, pelo menos a meu ver, no quesito de exceLência, seria bom a nossa editora prestar mais atenção em você.
Obrigado pela reflexão irmão, concordo com você. Infelizmente o choro hoje realmente é desse tipo e eu estou também cansado disso.
Hoje os super-pregadores podem muito bem ser crocodilos com lágrimas prontos para abocanharem suas presas( ou as rriquezas delas).
Tomara que nossa denominação volte a ter o choro verdadeiro, devido a uma verdadeir ação do Espírito Santo.

Abraços irmão e cotiue aqui no GQL!!!

Ednaldo disse...

É caro Victor, emoção falsa tem de monte por aí, outro dia ouvi, em um de seus videos, no blog do pr. Ciro, ele comentar acerca de um pregador que no seu esboço havia escrito até o momento de chorar.

Isso é lamentável.

Ednaldo