quarta-feira, agosto 01, 2007

Leve diálogo entre um pentecostal e um cessacionista



Faz um certo tempo que mandei certo e-mail para um determinado grupo batista fundamentalista da web. Abertamente anti-pentecostal. A meu ver, eles carecem de uma análise sadia do pentecostalismo e também possuem uma visão errada de nossa doutrina. Na época, meu conhecimento da história da AD era um tanto limitado, e apesar de certa melhora, talvez minha explicação contivesse erros. Quem quiser comentar sobre eles sinta-se à vontade.




Diálogo:

A começar por mim:
Irmãos amados, reparei recentemente em artigos que fazem uma associação com o movimento de fé promovido por Keneth Hagin e pelos neo-pentecostais com o pentecostalismo clássico. Creio que isso, independente de qual seja sua posiçõa teológica, é um exagero, como tentarei mostrar. Não pretendo fazer uma apologia ao pentecostalismo, mas tentar colocar as coisas no eixos.
O pentecostalsimo teve início no chamado "movimento da Rua AZuZA", que teve como caracteristicas as práticas dos dons espirituais como o falar em línguas e profecia.
O pentecostalismo foi um dos movimentos que mais cresceu no séc xx. E influênciou também muitas denominações como os batistas - Apesar da forte resistência do Fundamentalismo, que dizia que o movimento possuía milagres falsificados - presbiterianos, anglicanos e metodistas.
O pentecostalismo surgiu no Brasil principalmente devido a influência de dois missionários batistas chamdos Daniel Berg e Gunnar Vingreen.
Ambos foram expulsos da Primeira Igreja Batista, devido a igreja ser de cunho cessacionista, e fundaram a igreja missionária Assembléia de Deus, que praticamente deu uma forma ao movimento no País.
O pentecostalismo foi influenciado grandemente por uma noção batista e, em pequena parte, presbiteriana.
O estilo de culto do pentecostalismo clássico é muito parecido com os batistas,com hinos onde os irmãos cantavam reunidos. Em algumas igrejas da denominação, existiam instrumentos como violino e outros voltados mais a música clássica, além de corais. Tinha também a pregação do Evangelho.
A diferença mais significativa, eram os gritos de "Aleluia" e "Glória a Deus" que inrrompiam quando um pregador dava uma leve pausa na pregação. Também tinham, o falar em línguas e, algumas vezes profecias, além de algumas revelações ( que diferindo do movimento neo-pentecostal, não tinha cunho doutrinário e sim pessoal). Além da prática de apelos no final da mensagem.
Os pentecostais em nada diferiam com relação as doutrinas essencias do cristianismo. Pelo contrário tinham uma sede imensa no evangelismo pessoal ( O pentecostalismo foi um dos grandes movimento para a obra missionária).
Logo no inicio se enfatizava bastante a volta de Cristo, onde adotava-se uma postura teológica pré-milenista e pré-tribulacionista. Escatologia que até hoje é a oficial do movimento.
Enfatizava-se de maneira bastante exagerada a separação do mundo, de maneira quase radical. Mas foi somente no inicio dos anos 90 é que a denominação começou a se ver prejudicada por tal medida ( como o corte de cabelo e roupas)
Somente no final dos anos 80 e início dos anos 90 é que práticas alheias ao pentecostalismo clássico começaram a invadir o movimento. Isso em parte se deu por causa da aproximação com igrejas diferentes ( como a batista renovada, além da Quadrangular, que apesar de ser pentecostal, difere muito do pentecostalismo clássico da Assembléia de Deus). Como a inclusão de danças no culto, teatro, entre outras coisas. Além da entrada de modismos teológicos.
Hoje existe uma forte luta dentro da maior denominação pentecostal clássica( Assembléia de Deus) contra o neo-pentecostalismo e modismos que não só prejudicaram mas que estão grandemente esfriando o movimento no Brasil, tornando-o irreconhecível de sua forma original. Para ter uma idéia sobre o assunto, recomendo a leitura do excelente livro contra os modismos do Pastor Ciro Sanches : "Erros que os Pregadores devem evitar"( CPAD, 2004).
A versão da Bíblia preferida pelos pentecostais é a Almeida Revista e Corrigida da Sbb ( muitos ainda não possuem conhecimento das diferenças entre várias versões, porém até hoje preferem a versão clássica).

Agora, a resposta do irmão cessacionista:

Caro irmão em Cristo, Victor: Reconheço que as melhores e mais moderadas igrejas Assembléia de Deus são bem melhores que todas as igrejas "Movimento de Fé", que elas tendem a usar melhores Bíblias que muitas igrejas batistas, que elas têm maior padrão moral que as piores igrejas batistas, etc.Mas, por outro lado, acho claro que o movimento pentecostal é uma árvore com uma só raiz (colocarem fortes experiências no mesmo nível ou em nível mais alto que a Bíblia) mas com muitos, muitíssimos ramos, alguns até antagônicos e lutando contra outros.É nesse sentido (colocarem fortes experiências no mesmo nível ou em nível mais alto que a Bíblia) que afirmo que o neo-pentecostalismo, o pentecostalismo moderado, o pentecostalismo extremado, etc., são todos eles frutos do mesmo e terrível erro,
Hélio
Infelizmente há algum tempo esse fundamentalista não responde meus e-mails, ainda que não tenham sido sobre diferenças doutrinárias.
Quem sabe um dia...

Soli Deo Gloria




10 comentários:

Paulo Silvano disse...

Caro Victor Leonardo,

Tudo bem? Obrigado por me "cotucar" la no Sinergismo. Só estava esperando vcs voltarem das férias, que pelo jeito foram muito boas. Não fique preocupado com os cessacionistas não! Eles são cessacionistas é nós somos felizes! Isso é que importa.

Um abraço
Paulo Silvano

Pastor Geremias do Couto disse...

Caro Victor e seus companheiros:

Você e o Gutierres, lá do Teologia Pentecostal, promovem excelente reflexão sobre o pentecostalismo diante dessa avalanche de modismos neopentecostais.

Há quem diga que somos incoerentes, porque, se o neopentecostalismo é, hoje, questionado por suas "novidades", o pentecostalismo "clássico" o foi pelas mesmas razões: a "novidade" das línguas estranhas e de uma liturgia mais aberta.

Só que há uma grande diferença: o neopentecostalismo introduziu "expressões" litúrgicas no culto questionáveis do ponto de vista bíblico, bem como desenvolveu uma teologia baseada no "nada", já que não tem condições de ser defendida com boa argumentação bíblica. Nõ há fundamento.

Já o pentecostalismo clássico contribuiu fortemente para reavivar a doutrina do Espírito Santo na Igreja e teve como cerne as línguas estranhas que, queiram ou não os cessacionistas, ou ache ou não os neopentecostais ter sido uma "novidade" naquela época, enseja boa fundamentação bíblica por ter lastro tanto nos Atos do Espírito Santo como nas epístolas.

Parabéns pela abordagem a você e seus companheiros, bem como ao Gutierres lá do Teologia Pentecostal.

Pastor Geremias do Couto

Victor Leonardo Barbosa disse...

Obrigado tanto ao pastor Paulo e ao pastor Geremias do Couto por sua contribuição no blog, saiba que sempre serão bem vindos. Toda a Glória seja dada a Deus e que Ele possa abrir a mente de tais homens fechados para os dons do Seu Espírito.

Que Deus os abençoe!!!

Carlos Roberto Silva, Pr. disse...

Olá Víctor Leonardo e companheiros que GQL!
A Paz do Senhor!
Que maravilha é saber que Deus mantém jovens equilibrados e coerentes, compreendendo e ajudando a elucidar a Teologia Pentecostal clássica.
Aproveito para parabenizar também o Gutierres do Teologia Pentecostal.
Quanto aos nossos irmãos cessacionistas, os números são tão claros que não precisamos de rebuscadas explicações, simplesmente cessaram.
Vivem hoje, basicamente do crescimento biológico, o que eu sinceramente lamento, e sempre advirto para que nós pentecostais clássicos não caiamos na mesma armadilha.
Quanto aos neopentecostais, lamentavelmente, com raras excessões, vivem de modismo em modismo, apenas uns copiando os outros, o que também lamento e advirto para que não caiamos também na mesma armadilha.
Parabéns quando o irmão diz que nossa base é praticamente batista.
Tiramos a venda dos olhos quanto a questão dos dons do Espírito Santo e aí está o resultado.
Resumindo minha visão:
Os fundamentalistas só precisam tirar a venda quanto ao que já citei, os pentecostais clássicos devem lutar pela manutenção do que funcionou e muito bem e quanto aos neopentecostais, não adicionarem ao culto o que não está na Bíblia, nem relativizarem a doutrina da santificação.
Salvo melhor juízo, isto é o que penso!
Parabéns pelo artigo!

Victor Leonardo Barbosa disse...

Obrigado pel comentário pastor Carlos. Concordo com o senhor, a AD tem ma grande influência Batista. Infelizmente os irmãos cessacionistas( em especial este aqui) tem um forte repúdio para com ela(AD).

obrigado pelo omentário e |Paz do Senhor!!!

Josiel disse...

Gostei muito dos seus argumentos visando á defesa do evangelho genuíno de nosso Senhor Jesus Cristo e a Glória de Deus Pai.Peço a Deus que conserve você e sua equipe sempre vigilante quanto as astutas ciladas do diabo!Irmão Victor não se desgaste com aqueles que insistem em cessar a presença de Deus na liturgia dos cultos mantenha-se sempre na luz de Cristo.A paz do Senhor! pb. Josiel.BirigÜi, sp 03/01/2008.11:00.

Josiel disse...

FOI UM PRAZER CONHECER O VOSSO BLOG!! PB.JOSIEL.

Victor Leonardo Barbosa disse...

A honra é toda nossa irmão Josiel!!!

Anderson Cruz disse...

Estou meio atrasado para comentar o artigo, porém estive lendo muitos artigos do blog.

Tenho que admitir que pela minha pouca bagagem teológica quase deixei de ser cristão por ver argumentações cessacionistas, pois quase acabei caindo nesse negócio de cessacionismo, mas Deus me ajudou e conheci blogs Pentecostais que me deram maior bagagem e me fez entender melhor.

Anderson Cruz
Assembleia de Deus em São Paulo

Edson Ortega Fernandes disse...

Gostei muito do blog de vocês. Acho importante mostrar que também os pentecostais se preocupam em estudar a Bíblia, de forma profunda e não só enfatizando as doutrinas de "usos e costumes".
Acho fundamental diferenciar o "pentecostalismo" desse modismo herético do neo-pentecostalismo.
Um abraço,

Em Cristo,

Pr. Edson Ortega