sexta-feira, julho 01, 2011

Centenário: primeiras reflexões...


Ainda não escrevi um artigo refletindo sobre a celebração do centenário e o contexto do atual cenário assembleiano, algo que pretendo escrever no começo dessa semana que se inicia. Dentre desse foco vale a pena ler o mais recente artigo do pastor Geremias do Couto, no qual trata, de forma pungente, questões importantes como os bastidores antes da celebração, as dispustas e as ações praticadas, atentando também para as eleições da CGADB em 2013.

Eis um trecho do artigo:
"Centenário das Assembleias de Deus no Brasil já é história. Qualquer análise que se faça agora corre o risco da parcialidade. Ainda estamos sob o calor das comemorações e à sombra dos episódios que marcaram as etapas de preparação para os eventos. Qualquer consideração feita daqui a cinco ou 10 anos certamente terá a isenção necessária para melhor emitir juízo de valor. O tempo coopera para dissipar dúvidas, apurar dados, filtrar informações, ajuntar peças e, com isso, produzir uma análise mais racional. Mas não posso postergar a minha avaliação até porque tomei a atitude de ficar distante das celebrações pelos motivos já conhecidos, o que me dá alguma isenção para dizer o que penso sem deixar de ser fiel aos fatos. Uma razão a mais é que estamos prestes a ver o início de outro processo: a deflagração das articulações para a escolha do novo presidente da CGADB em 2013. Não há como dissociar o Centenário das eleições. Ambas as coisas se interconectam.(para continuar a leitura, clique aqui).


Soli Deo Gloria

2 comentários:

Ângelo dos Santos Monteiro, disse...

Boa tarde! Passei por aqui para fazer uma visita em seu blog e aproveito a oportunidade para convidar você a visitar o [Blog do Ângelo], um espaço que gira em torno da seguinte temática: "Um olhar bíblico-teológico sobre temas atuais e polêmicos"!

[Blog do Ângelo] - http://pbangelo.blogspot.com

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezamado irmão Victor Leonardo Barbosa,

A paz de Cristo, o nosso Senhor!

Esta matéria foi concebida como uma pequena advertência, aos dias de hoje.

Realmente é questionável a imprudência e a soberba, na realização de eventos que desprezam os verdadeiros motivos e princípios da igreja do nosso Senhor.

Estamos construíndo pontes para espaços vazios da produtividade, que alimenta ao espírito e dando asas à imaginação, e que não desperta o real sentido da posição da igreja.

Os sentidos perderam a visão e a visão, está como que, sem sentidos
à uma direção, que compromete em circunstâncias a maior expansão do Reino.

Perdeu-se a cabeça com a trituração espiritual e a apostasia, diante destes últimos dias do Final dos Tempos, com a construção de MEGA-TEMPLOS.

Para mim é uma certeira afirmativa e inigualável manipulação, sobre o povo, com a demonstração que a liderança acredita mais em um futuro próspero para a sua família do que com o momento, já tão acostumado nas pregações com a frase que soa como que mentirosa para alguns:

O SENHOR ESTÁ ÀS PORTAS!

Depois deste brado, vem a proposta de ampliação melagomaníaca de muitas igrejas, em detrimento de outras que permanecem com a sua janela (argh) chamada de BASCULHANTE. Triste! E ventiladores caindo aos pedaços, sem falar nos banheiros por vezes, impossível de serem "VISITADOS".

Uns com muitos e outros com tão pouco. Horrível esta maneira incorreta de distribuição dos benefícios(dízimos e ofertaaaaaaaaas da igreja, enquanto alguns se divertem em seus aviõs, lanchas, relógios de marcas(caríssimas), PULSEIRAS DE OURO, ternos a dar com a cabeça(haja armários) na parede para escolher qual... qual... qual... irei me apresentar?

E depois, desejam comemorar o centenário, em uma disputa vergonhosa em que os diretores de TV, devem ter rasgados os seus lábios de tanto sorrir dos pretensos líderes evangélicos. Sinto vergonha!

Graças a Deus por sua decisão em promover esta matéria e afirmar categoricamente que uma TERCEIRA VIA, é de fato, necessária ao momento crucial em que passamos diante do mundo.

O Senhor seja contigo, nobre irmão!

O menor de todos os menores.